Exportação de barcos no Brasil ultrapassa as importações pela primeira vez

As lanchas e os iates feitos no Brasil nunca foram tão requisitados. Em 2022, pela primeira vez, o volume de exportações de barcos superaram o de importações, e cada vez mais modelos nacionais navegam em águas de países da Europa e nos Estados Unidos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Segundo a Associação Brasileira dos Construtores de Barcos e seus Implementos (Acobar), no ano passado, as exportações do setor bateram recorde e somaram US$ 30,1 milhões, quase quatro vezes mais do que as importações (US$ 7,6 milhões). Em 2021, o País já havia exportado quase a mesma cifra (US$ 29,9 milhões), mas as importações chegaram a US$ 75,7 milhões.

Para o presidente da Acobar, Eduardo Colunna, o setor está “começando a colher os frutos” de uma iniciativa de quase uma década que ganhou força nos últimos quatro anos. “(O setor) Sempre ficou de fora (das exportações) por erro dos próprios estaleiros, que não investiram na operação.”

A expectativa agora, diz, é de crescimento anual de cerca de 20% só com exportações.

A taxa de câmbio favorável e o desenvolvimento de modelos atraentes para o público estrangeiro  são alguns fatores que favoreceram as vendas externas. Além disso, Colunna diz que, durante a pandemia, houve uma “descoberta do mar”.

Segundo ele, em fevereiro, ao menos seis empresas brasileiras expuseram no Miami Boat Show, o maior evento náutico do mundo. “Tem empresa exportando mais de 40% da produção”, garante. Ele diz que os barcos nacionais “não devem nada” aos estrangeiros.

Venda para Azimut Yachts

Em março, pela primeira vez, a marca italiana Azimut Yachts, que produz iates em Itajaí (SC) desde 2010, exportou para a Itália uma unidade do megaiate 27 Metri, embarcação de luxo que no Brasil custa a partir de R$ 54 milhões.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

Segundo o CEO da fábrica no País, o italiano Francesco Caputo, a única unidade da marca fora da Itália nasceu para atender o mercado brasileiro, mas segundo ele havia um cliente que precisava receber o iate a tempo de aproveitar a temporada de navegação europeia, que começa em abril.

A meta da Azimut do Brasil é exportar 35% da produção este ano, estimada em 42 barcos. O volume deve superar R$ 500 milhões. No ano passado, a exportação representou 20% da produção. O estaleiro tem modelos feitos “já pensando em exportação”, diz o executivo.

Segundo Caputo, o custo menor da mão de obra no Brasil ajuda na competitividade, mas a vantagem se dilui nos custos de transporte.

Eduardo Colunna, da Acobar, aponta ainda o sistema drawback como um aliado para a exportação. Por meio dele, itens importados destinados à construção de produtos a serem exportados entram no país sem recolhimento de tributos, como forma de incentivo à exportação. É o caso, por exemplo, dos motores.

Itajaí é uma espécie de “ABC dos barcos“, em referência ao polo da indústria automotiva em São Paulo. A cidade concentra 29 empresas do setor, que geram 1.100 empregos diretos, e que em 2022 contribuíram com R$ 611 milhões em impostos. “De cada dez barcos produzidos no Brasil, sete saem de Itajaí”, diz o secretário de Desenvolvimento Econômico da cidade, Thiago Morastoni. Ele estima que, desse volume, cerce de 25% a 30% são destinados à exportações de barcos.

Com informações de Estadão Conteúdo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião