Entidades ameaçam nova greve dos caminhoneiros a partir de 1º de fevereiro

Entidades ameaçam nova greve dos caminhoneiros a partir de 1º de fevereiro
Greve dos caminhoneiros: Justiça proíbe bloqueios na BR-101

Depois de enfrentar o desaquecimento causado pela pandemia, o Brasil pode enfrentar também uma nova greve dos caminhoneiros. Duas entidades do setor – a Associação Nacional de Transporte no Brasil (ANTB) e o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) – se movimentam para realizar uma nova greve de caminhoneiros no primeiro dia de fevereiro. Apesar das falas de que a nova paralisação será maior do que a de 2018, alguns líderes da categoria se recusam a apoiar o movimento.

As duas entidades de caminhoneiros que organizam a nova paralisação apoiaram a eleição do presidente Jair Bolsonaro em 2018 e reclamam que, apesar disso, nunca tiveram suas demandas ouvidas pelo Governo Federal ou ao menos encontros com as autoridades e interlocução com o Ministério da Infraestrutura.

Para que a nova greve dos caminhoneiros seja evitada, as organizações querem uma reunião direta com o presidente. Segundo os líderes, há apoio também de pequenos produtores de agricultura familiar e de parte da população.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Demandas de nova paralisação envolve direitos trabalhistas e preços do diesel da Petrobras

Entre as queixas apresentadas pelos caminhoneiros, estão:

• alta do preço do diesel

• falta de fiscalização sobre transportadoras, que não estariam cumprindo direitos trabalhistas

• a revisão de resoluções da Agência Nacional de Transporte Terrestre (ANTT)

• preço mínimo de frete

O principal ponto ponto motivador da greve dos caminhoneiros, segundo o presidente da ANTB, José Roberto Stringasci, é a alta do diesel, que estaria sufocando as margens de lucro dos trabalhadores. Stringasci citou, em entrevista ao Estadão, que é necessário uma mudança de postura da Petrobras (PETR4), que vem, sucessivamente, elevando os preços do produto.

Ebook Gratuito
Baixe agora nosso
Guia de Investimentos para 2021
Confira gratuitamente quais são nossas perspectivas para o ano.

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

“A Petrobras não foi criada para gerar riqueza para meia dúzia. A Petrobras é nossa e tem que ajudar o povo brasileiro e o Brasil”, afirmou o presidente ao jornal ao comentar os preços do diesel. “Queremos preços nacionais para os combustíveis com reajustes a cada seis meses ou um ano”, diz.

Organização da nova greve de caminhoneiros busca mais apoio

O grupo está à procura do apoio de mais caminhoneiros, principalmente dos que lideraram as greves de 2018. Wanderlei Alves, o Dedeco, declinou o convite. Ele possuía linha direta com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Gomes de Freitas, mas rompeu com o governo Bolsonaro após pegar covid-19 e criticar a forma como as autoridades federais estão lidando com a pandemia.

Outros líderes de 2018, como Aldacir Cadore e Ivair Schmidt, do Comando Nacional do Transporte, afirmaram que há “zero chance” de uma nova greve dos caminhoneiros. Segundo eles, a nova paralisação é organizada por um grupo pouco influente.

Vitor Azevedo

Compartilhe sua opinião