EGAF11: Fiagro da Ecoagro estreia na Bolsa avaliado em R$ 30 milhões

EGAF11: Fiagro da Ecoagro estreia na Bolsa avaliado em R$ 30 milhões
SLC Agrícola teve ano recorde para praticamente todos os indicadores financeiros -Foto: Pixabay

A partir desta sexta-feira (28), o Fiagro Ecoagro (EGAF11) já pode ser negociado por investidores em geral no mercado secundário. Primeiro Fundo de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais da Ecoagro, trata-se de um Fundo Multiclasse, ou seja, seu portfólio será focado em títulos de renda fixa e outros fundos ligados ao agronegócio.

O Fiagro EGAF11 captou R$ 30,161 milhões em sua primeira oferta ao mercado, com a subscrição de 301.310 cotas, ao preço de R$ 100,00 por cota.

Embora os valores estejam abaixo do estimado no prospecto do IPO do Fundo, para Luis Gustavo Pereira, sócio responsável pela área de Mercado de Capitais da Guide Investimentos, que coordenou a oferta, a estreia foi bem sucedida.

“Dentro do contexto de deterioração do mercado que vemos nos últimos tempos, a oferta foi muito bem, principalmente porque conseguimos concluir esse primeiro passo. Com uma janela mais favorável de captação, acredito que possa haver uma grande aceleração na demanda por Fiagros”, afirma Pereira.

O grupo Ecoagro é líder na emissão de Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRAs) no País. Desde 2009, cerca de R$ 30 bilhões de CRAs foram emitidos pelo grupo.

Com essa experiência na conta, o Fiagro EGAF11 já chega à B3 com o patrimônio inicial alocado e pronto para uma nova emissão nos próximos meses.

Mathias Teixeira, gestor da Ecoagro, vê uma grande expectativa por parte dos investidores com o produto financeiro. “Muitas pessoas nos procuraram para entender mais do produto e saber como investir”, conta.

Além disso, Teixeira acredita que com uma rentabilidade indicativa para o primeiro ano de CDI+4% ao ano, sem imposto de renda, os investidores pessoas físicas devem se interessar mais pelo EGAF11.

Com a abertura das negociações hoje, as cotas do Fiagro EGAF11 subiam 0,5%, por volta das 12h30 (horário de Brasília) valendo R$ 100,50.

“Nossas expectativas foram plenamente atendidas. Vemos a estreia do EGAF11 como um ponto importante de um movimento que tende a crescer nos próximos anos, porque sabemos da importância Fiagro para o crescimento do agronegócio brasileiro”, diz Moacir Teixeira, sócio-fundador da Ecoagro.

Fiagros somam R$ 7,5 bilhões em emissões em 2021

O Ministério da Economia espera que a criação dos Fundos de Investimento nas Cadeias Produtivas Agroindustriais (Fiagros) tragam maior dinamismo e transparência ao mercado de terras rurais brasileiras, além de um aumento da competitividade na formação de preço de terras e maior liquidez ao estoque de terras como ativo do produtor rural.

As informações constam em nota informativa sobre o Fiagro produzida pela Secretaria de Política Econômica (SPE) e divulgada na quinta-feira (20). Além disso, o documento destaca pontos positivos sobre os Fundos, como:

  • oportunidade para que pequenos investidores aportem seus investimentos e usufruam de um dos setores de maior crescimento da economia brasileira, e
  • segurança jurídica para aumentar a participação de estrangeiros no financiamento do agronegócio no Brasil.

O documento menciona outras vantagens que a regulamentação do Fiagro pode trazer ao setor de agronegócio, como o melhor aproveitamento de terras mal administradas e baixa eficiência, que fazem o governo perder arrecadação, inclusive.

Para constar como ativo no Fiagro, os imóveis precisam estar totalmente legalizados, de modo que a tendência é de que haja melhoria na gestão do campo.

“Os Fiagros representam novos potenciais gestores com recursos e expertise na área por meio da gestão profissional dos fundos e que podem criar valor pelo investimento na melhoria da terra e sua posterior revenda/arrendamento”, diz documento.

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO