AGENDA

Dólar fecha em alta de 1,33%, com mercado preocupado com quebra do teto de gastos

Dólar fecha em alta de 1,33%, com mercado preocupado com quebra do teto de gastos
Dólar. Foto: Pixabay

O dólar encerrou as negociações desta terça-feira (19) em alta de 1,33%, frente ao real, valendo R$ 5,594 na venda.

O temor pelo risco fiscal tomou conta dos mercados e levou a um avanço do dólar hoje, diz Marcelle Gutierrez, da Mesa RV do BTG Pactual Digital.

Gutierrez explica que a aversão ao risco veio da notícia de que o governo pretende anunciar o programa Auxílio Brasil de R$ 400, com parte do valor fora do teto de gastos.

Movimentação do dólar hoje

O dólar americano já abriu a sessão de hoje em alta firme, mesmo com a realização de um leilão de até US$ 500 milhões em moeda à visa do Banco Central, o que não acontecia desde março.

Ainda sobre a questão fiscal, foi, segundo analistas, bastante negativa a repercussão da fala do presidente da Câmara, Arthur Lira, que em entrevista acenou com apoio às iniciativas do governo sobre o anúncio de benefícios sociais. Entre outros pontos, ele afirmou que não se pode “pensar só em teto de gastos e responsabilidade fiscal” em detrimento da população.

No decorrer da sessão, o dólar sustentou sua alta em uma resposta do mercado ao agravamento da situação fiscal após a notícia sobre a intenção do governo de aumentar os gastos com programas sociais.

Notícias que movimentaram o dólar

Além disso, veja algumas notícias que movimentaram o dólar durante a sessão de hoje:

  • Comissão da PEC dos Precatórios adia para amanhã sessão prevista para hoje
  • Lançamento do Auxílio Brasil, marcado para hoje, é cancelado pelo Ministério
  • Escassez no mercado de trabalho cairá com fim da pandemia, diz dirigente do Fed

PEC dos Precatórios: sessão suspensa

A Comissão Especial que analisa a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) dos Precatórios cancelou a sessão que estava prevista para esta terça-feira, às 14 horas, para discutir e votar o relatório apresentado pelo deputado Hugo Motta (Republicanos-PB). Um novo encontro foi marcado para quarta-feira, 20, no mesmo horário. Segundo o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) apurou, Motta tem dito a interlocutores que “está aberto” a mudanças, mas ainda não há nada definido.

A votação da PEC é importante porque é ela que abrirá espaço para o novo programa social Auxílio Brasil e outras despesas, já que “empurra” parte dos R$ 89,1 bilhões previstos em pagamentos com precatórios em 2022 para o ano seguinte.

Como mostrou o Broadcast, a equipe econômica prevê uma despesa de R$ 30 bilhões fora do teto de gastos para bancar um dos auxílios temporários e garantir um benefício total de R$ 400 à população de baixa renda em 2022, ano de eleição. Uma das alternativas para viabilizar isso seria incluir essa exceção na PEC dos Precatórios.

Lançamento do Auxílio Brasil é cancelado

O evento de lançamento do Auxílio Brasil, programado para acontecer às 17h desta terça, foi cancelado pelo Ministério da Cidadania, segundo informações da assessoria de imprensa da pasta. Não foi anunciado uma nova data para o lançamento oficial do novo programa de distribuição de renda.

Como mostrou o Broadcast, o governo pretendia lançar hoje o programa assistencial para substituir o Bolsa Família com valor de R$ 400 em 2022, ano em que o presidente da República, Jair Bolsonaro, buscará a reeleição.

Parte desse valor, cerca de R$ 100, seria contabilizado fora do teto de gastos, em uma vitória da ala política do governo sobre a equipe econômica. Mas gerou repercussão negativa na equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes.

A notícia de que a equipe econômica cederia à ala política afetou o humor do mercado financeiro durante todo o dia e levou a bolsa a chegar ao menor nível desde março.

Mercado de trabalho: Fed otimista com a recuperação

O Presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de Atlanta, Raphael Bostic disse que se mantém otimista quanto ao cenário do mercado de trabalho dos Estados Unidos. Ele projetou que a escassez de trabalhadores deve relaxar nos próximos meses, à medida que a pandemia de coronavírus ficar para trás.

“A maioria dos americanos quer trabalhar, mas de uma maneira que faça sentido para eles. À medida que pandemia acabar, veremos empregos voltando”, afirmou o dirigente durante evento organizado pelo The Hill nesta terça.

Segundo ele, a crise sanitária nos EUA ainda deixa as pessoas receosas para buscar emprego.

Bostic ainda afirmou que pelo menos 25% da lacuna de trabalhadores que não voltaram à força de trabalho está relacionada à mães que precisam cuidar de filhos abaixo de seis anos.

Cotação do dólar nesta segunda (18)

Na última sessão, segunda-feira (18), o dólar fechou em alta de 1,21%, frente ao real, valendo R$ 5,51 na venda.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Laura Moutinho

Compartilhe sua opinião