Semana do Fiagro

Alta do mês zerada: dólar fecha em queda de 2,15%, abaixo de R$ 5

Alta do mês zerada: dólar fecha em queda de 2,15%, abaixo de R$ 5
Dólar . Foto: Pexels.

O dólar fechou em queda forte nesta quinta (17) e voltou a ser negociado abaixo do patamar dos R$ 5, o que não ocorria desde o pregão de 4 de maio. A sessão de hoje foi influenciada pela perda de força da moeda americana nos mercados globais, num dia de busca pelo risco. Pesaram ainda  o arrefecimento da pandemia na China, com reabertura das atividades em cidades como Xangai, dados positivos das economias europeias e inglesas, que deram força ao euro e à libra. O PIB da zona do euro, por exemplo, superou as expectativas e a taxa de desemprego no Reino Unido caiu ao menor nível desde 1974.

Foi uma sessão marcada ainda por declarações do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, que revelou ter amplo apoio dos membros do Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc, na sigla em inglês) por um novo aumento de 50 pontos-base do juro na reunião do mês que vem. Segundo ele, que participou de evento do The Wall Street Journal nesta terça, o BC americano entende que este momento requer foco em levar a inflação de volta à meta de 2% ao ano. Por isso o Fed, vai continuar apertando sua política monetária até ver sinais claros de queda dos preços: “Este não é um momento para termos leituras tremendamente detalhadas sobre inflação. Precisamos que ela abaixe de uma forma convincente”, argumentou Powell.

O banqueiro central afirmou que o Fed será mais agressivo se os preços não reduzirem à medida em que o aperto monetário avança. Desta forma, o juro básico pode ir além da taxa neutra, se necessário.

Dólar: volta ao patamar de R$ 4,95

Com o tom incisivo de Powell a respeito da inflação, a moeda norte-americana reduziu o ritmo de baixa lá fora. Por aqui, o dólar retornou momentaneamente ao patamar de R$ 4,95, embora ainda em queda firme. No fim da sessão, a divisa dos EUA era cotada a R$ 4,9429, perda de 2,15%. Com isso, o dólar hoje zerou a alta no mês. A baixa em 2022 voltou a ser de dois dígitos (11,35%).

“A fala de Powell reforçou o comunicado da última decisão, de aumentos de 50 pontos-base e comprometimento com o combate à inflação. Ele disse também que pode aumentar os juros acima do nível neutro, que ainda não está definido por conta da incerteza global”, afirma o economista Matheus Pizzani, da CM Capital, para quem a ênfase de Powell no combate à inflação deixa a porta ainda aberta para aceleração do aperto monetário nos EUA, com alta de 75 pontos-base após a reunião de junho.

O economista-chefe do Banco Fibra, Cristiano Oliveira, afirma que o mercado global reflete a melhora da perspectiva para a economia chinesa, com a flexibilização das medidas restritivas em Xangai, que deve experimentar uma reabertura gradual. Isso levou a uma alta das moedas emergentes, com destaque para o rand sul-africano, o real e o peso colombiano diante do dólar. “Mantemos a estimativa de apreciação do real nas próximas semanas”, afirma, em relatório, Oliveira, ressaltando que os preços das commodities devem se manter em níveis elevados até o fim deste ano e as divisas emergentes devem sofrer “os efeitos cumulativos do aperto monetário nos EUA” no ano que vem.

Com informações do Estadão Conteúdo

 

Ana Carolina Cury

Compartilhe sua opinião

Receba as notícias em seu e-mail

EU QUERO