Crise hídrica não tem relação com apagão em RJ e MG, diz ONS

Crise hídrica não tem relação com apagão em RJ e MG, diz ONS
Energia Elétrica tem aumentado exponencialmente nos últimos meses com alta da inflação e crise hídrica - Foto: Pixabay

O Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) descartou, neste domingo (19), que o apagão na noite de ontem em alguns municípios dos estados do Rio de Janeiro e Minas Gerais tenha relação com a crise hídrica que vem causando estresse energético no País.

O Operador não reportou nenhuma ocorrência em São Paulo, apesar de relatos, informando que, se houve algum problema, deve ter sido local, pois não chegou ao seu conhecimento. O Brasil passa pela pior crise hídrica dos últimos 91 anos.

Como já havia sido relatado por Furnas, o ONS informou que às 21h21 houve um desligamento total da subestação Rocha Leão, de propriedade de Furnas, “devido à atuação da proteção diferencial de barras do setor de 138 kV”, explicou.

De acordo com o sistema de supervisão do Operador, houve interrupção de 696 megawatts (MW) na carga. Às 22h32, o abastecimento estava 100% normalizado.

“O ONS avaliará as causas da ocorrência junto aos agentes envolvidos. Vale ressaltar que o episódio não tem relação com a crise hídrica do País“, disse o ONS em nota.

“Reiteramos que, assim que identificado o problema, atuamos prontamente para iniciar a recomposição do sistema e para que o completo fornecimento de energia fosse restabelecido o mais rápido possível.”

Crise hídrica deve durar até novembro, diz presidente da Petrobras

O presidente da Petrobras (PETR4), Joaquim Silva e Luna, disse que a crise hídrica deve durar até o mês de novembro, considerando que a situação já se arrasta “há algum tempo”.

“Estamos necessitando de várias mãos para encontrar um caminho”, afirmou durante debate na Câmara dos Deputados última semana.

Ao falar sobre o tema, destacou que a estatal ampliou a capacidade instalada e de entrega de gás de 2 GW para 8 GW. “Nosso comprometimento é com a situação que vivemos nesse momento”, afirmou, repetindo que a petroleira é controlada por vários setores.

Mesmo assim, a situação continua preocupando no Brasil. Os reservatórios de hidrelétricas já operam abaixo do nível do pré-apagão, ocorrido em 2000. Contudo, vale pontuar que a matriz energética atual do País é menos concentrada na geração hidrelétrica, amenizando os efeitos imediatos da crise hídrica.

(Com informações do Estadão Conteúdo)

Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião

Manual 10 passos essenciais para se tornar um investidor de sucesso. Baixe Grátis!

Baixar agora!