Coronavírus: Indústria siderúrgica tenta garantir aço para operar

Coronavírus: Indústria siderúrgica tenta garantir aço para operar
Coronavírus: Indústria siderúrgica tenta garantir aço para operar

A volta em ritmo acelerado da atividade industrial no Brasil, após a crise iniciada pela pandemia do novo coronavírus (Covid-19), vem causando um descompasso entre a demanda das fábricas e a capacidade de abastecimento dos fornecedores, o que pode conter o vigor da recuperação até o final do ano.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Embora as empresas ainda não tenham registrado interrupções significativas de linhas, a escassez de insumos, influenciada pela pandemia do coronavírus, está se espalhando por cadeias que vão da indústria de vestuário a montadoras e fabricantes de bens de capital.

Por essa razão, há movimentações para assegurar estoques do aço, o principal item em falta na indústria de transformação. Na última quarta-feira (7), representantes das indústrias de veículos, autopeças, máquinas e eletrodomésticos se reuniram com seus pares do setor siderúrgico para discutir soluções que normalizem mais rápido o abastecimento das cadeias.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

A partir da reunião, o acordo foi que os clientes vão entregar uma relação dos produtos que mais precisam, tendo em vista os próximos seis meses, para que as usinas siderúrgicas direcionem assim a produção. Do lado dos setores demandantes de aço, executivos saíram da reunião virtual confiantes de que em um mês e meio não haverá mais escassez, sobretudo porque ouviram de seus interlocutores que a produção dos altos-fornos vem aumentando.

O problema de desabastecimento diminui, mas não se encerra, no entanto, com o casamento entre oferta e demanda de aço. Segundo apurou o Estadão/Broadcast, além de insumos derivados do aço, há falta de componentes básicos, como por exemplo de pneus, em fábricas de caminhões e motocicletas, setores cuja produção foi estimulada, respectivamente, pelo transporte da safra recorde de grãos e pelo boom nos serviços de entrega. Na cadeia de eletrodomésticos, aponta-se insuficiência de peças de plástico, além de papelão.

Junto com a reação de consumo mais forte do que se previa, as cadeias industriais voltaram das paradas forçadas pela pandemia com estoques baixos, o que intensificou uma demanda por insumos que não tem sido plenamente atendida porque os fornecedores não retornam todos na mesma velocidade.

Segundo José Velloso, presidente executivo da Abimaq, associação da indústria de máquinas e equipamentos, nenhuma fábrica parou até o momento por falta de componentes. Entretanto, algumas empresas sinalizam a possibilidade de suspender setores de fábrica por indisponibilidade de materiais, uma possibilidade também cogitada na indústria de eletrodomésticos, informou.

“Por isso nós chamamos as siderúrgicas. Queremos evitar esse tipo de inconveniente”, disse o executivo da Abimaq. Além de Velloso, pela Abimaq, dirigentes da Anfavea, associação das montadoras, do Sindipeças (fornecedores de autopeças) e Eletros (eletroeletrônicos) participaram da reunião.

Veja também: Coronavírus: crise do setor aéreo ameaça 46 milhões de empregos

Apesar da falta de aço apontada por setores industriais, Marco Polo Mello Lopes, presidente do Instituto Aço Brasil, disse que a indústria siderúrgica não demorou para religar altos-fornos e entregou em setembro 13% a mais do que a média mensal do ano passado em aço plano, a linha mais usada por fábricas de automóveis, geladeiras e máquinas, entre outros produtos da indústria de transformação. “Religamos equipamentos e voltamos em agosto ao nível do início do ano em produção de aço bruto. As siderúrgicas estão entregando mais.”

Custos

Antecipando em meses uma situação que, pelas previsões feitas no auge da pandemia, só aconteceria no começo do ano que vem, metade dos setores da indústria de transformação voltou aos níveis de produção registrados antes do choque do coronavírus. Mas a escassez de insumos acontece num momento em que industriais também apontam aumentos de custos, decorrentes de reajustes da ordem de 20% a 30% em insumos como aço, plástico e papelão, bem como dos novos esquemas de trabalho, com menos pessoas nas linhas de produção.

Com informações do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Rafaela La Regina

Compartilhe sua opinião