Copel (CPLE6), Engie (EGIE3), AES Brasil (AESB3): o pódio dos dividendos pela XP

A XP Investimentos divulgou um relatório em que analisa as companhias do setor elétrico e de saneamento sob a ótica da distribuição de dividendos. A partir disso, os analistas montaram um ranking com as três principais posições do setor.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/1420x240-Banner-Home.png

Os critérios observados pelos analistas para escolher as empresas são quatro. Com isso, as melhores pagadoras de dividendos, segundo a XP, tem as seguintes características:

  • consistência histórica de payout em relação a sua própria política;
  • baixa alavancagem;
  • dividend yield interessante do ponto de vista de retorno e
  • elevado retorno total e perspectivas de valorização.
Pódio de dividendos pela XP.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Planilha-controle-de-gastos.png

Copel ganha a medalha de ouro

Segundo os analistas Herbert Suede e Maíra Maldonado, que assinam o relatório da XP, durante o ano de 2021, a Copel (CPLE3) fez avanços significativos em sua política de remuneração aos acionistas.

O documenta destaca as mudanças na aplicação de métricas de performance; governança e maior foco no seu core ao desinvestir da Copel Telecom. “Aliado a isso, a companhia possui uma clara política de distribuição de lucros que tem sido consistentemente aplicada”, diz o relatório.

Com isso, a XP indica que possui uma visão positiva tanto do ponto de vista de valorização das ações como de distribuição de proventos. Em 2021, a Copel distribuiu R$ 1,31 em dividendos e JCP, por ação, aos seus investidores, valor equivalente a 17,5% de dividend yield anualizado.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Engie ganha medalha de prata

A Engie (EGIE3) é a segunda colocada no pódio da XP. Segundo os analistas, a empresa é diversificada em termos de receitas e atua nos segmentos de geração, transmissão e transporte de gás. Além disso, o documento ressalta que os contratos da companhia são razoavelmente regulados e previsíveis.

“Sua política de dividendos estabelece uma distribuição de 30% do lucro líquido semestralmente, o que é historicamente ultrapassado”, diz o relatório. Ainda assim, a posição dos analistas é retorno atrativo tanto para a valorização da ação quanto para o pagamento de dividendos da Engie.

Em 2021, a empresa distribuiu R$ 1,78 em dividendos e JCP, por ação, aos seus investidores. E em 2022, já houve distribuição de proventos pela empresa também, de R$  0,78 por ação. A XP indica que o dividend yield anualizado da Engie está em 6,6%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

O bronze dos dividendos ficou para a AES Brasil

“A AES Brasil (AESB3) usualmente apresenta lucros consistentes, embora possa haver um certo grau de volatilidade dependendo da incidência de chuvas”, indica o relatório da corretora.

Em 2021, a companhia teve um ano desafiador considerando o cenário hidrológico, mas os analistas acreditam que o avanço físico de obras pendentes e a consequente geração de caixa levará a uma menor alavancagem pela AES e maior potencial de pagamento de dividendos também.

Os dividendos pagos pela empresa de energia em 2021 somaram R$ 0,23 por ação, equivalente a 1,7% de dividend yield.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Monique Lima

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno