Fábio Carvalho

Imagine catástrofes e sobreviva

Privilegiar o entendimento e a gestão de riscos, acima de qualquer coisa, é o que o investidor deve buscar

Segundo texto neste espaço e vou insistir na discussão de um assunto, risco. Para mim é o assunto mais importante em finanças e investimentos em geral.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-Banner-Home-1.png

A maioria das pessoas quando escuta o termo “Investimento” pensa imediatamente em retornos, lucros. E eu acredito que essa associação é a atitude errada.

O trabalho de investidores, profissionais ou amadores, dever ser um enorme foco em entender e gerenciar diferentes riscos, antes de qualquer outra coisa. Antes de pensar nos retornos.

Mirar no retorno esperado, ou desejado em muitos casos, acaba distraindo do que é importante, e trazendo ainda mais vieses cognitivos para o jogo, atrapalhando
tremendamente os processos de tomada de decisão.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Um investidor focado em tecnologia chamado Josh Wolfe, certamente dentre os que mais admiro, tem uma frase que resume um pouco o pensamento por trás desse conceito: fracasso (ou falhas) vem do fracasso de se imaginar um fracasso (“Failure comes from a failure to imagine failure”).

Soa estranho e repetitivo, eu sei. Mas há muita sabedoria comprimida aí.

Grandes investidores, bem como grandes empreendedores, não são tomadores de risco, como a cultura popular muitas vezes coloca. Não são heróis destemidos, e um tanto inconsequentes.

São sim grandes gestores de risco, hábeis eliminadores de camadas risco e incertezas. Acredito que a chave está em enxergar cada situação, sejam investimentos ou um novo projeto, sob um modelo mental de camadas de risco, que devem ir sendo retiradas, e na medida que isso vai acontecendo, o valor do negócio, ativo, investimento, cresce, e sua fragilidade reduz, enquanto opcionalidades são expostas.

Para não ficar apenas nos conceitos, vou contar um caso interessante que ajudou muito a formar em mim a mentalidade e atitude de sempre focar nos riscos e incertezas.
Cerca de dez anos atrás, eu estava sentado para um café da manhã em um hotel famoso na região central de Boston, nos Estados Unidos.

Estava com um amigo americano, e aguardando um outro convidado. Quando o convidado, com quem eu nunca estivera, chegou, a primeira surpresa foi com seu porte físico. Largo, e quase 2m de altura, era muito diferente do que eu esperava pelas poucas fotos e vídeos disponíveis dele.

O convidado era Seth Klarman, um dos maiores investidores da história. Sua gestora, Baupost Group, tem um dos melhores históricos de retornos de investimentos que se pode encontrar, e Seth literalmente escreveu o livro fundamental para muitos, como eu, que estamos sempre atrás de com situações favoráveis de “risco x retorno”, do que ele chama de margem de segurança, para estratégias “avessas aos riscos”.

Temos um amigo em comum, e por isso tive o privilégio de estar com ele para aquele café da manhã. O que se seguiu a sua chegada foi totalmente diferente do que eu esperava. Na minha cabeça havia imaginado que eu iria interrogá-lo sobre sua carreira, suas ideias sobre investimentos, suas visões de mundo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Mas após poucos minutos de conversa leve, ele começou um incrível interrogatório sobre o Brasil. Como funciona o sistema judicial? Como juízes costumam decidir em casos assim? Como é a atitude do órgão tributário? Como é o sistema de votação, como se elegem congressistas? E mais e mais, e após uma hora disso, nos despedimos.

Sentado à mesa com um dos maiores investidores que já houve, e o diálogo todo se resumiu a ele aproveitando a oportunidade para extrair de mim a máximo possível de informações sobre o funcionamento do Brasil.

Ele não estava apenas sendo curioso. Ele estava trabalhando. Estava aproveitando a oportunidade para reunir mais informações para analisar cenários e riscos, quando chegasse uma próxima situação de analisar alguma oportunidade de investimento por aqui.

Entender o que pode dar errado, quais as probabilidades envolvidas. Há chance de ruína? O que acontece no cenário ruim. O que podemos perder nos diferentes cenários negativos possíveis.

Não é fácil. Mas é crítico. Uma atitude geral em relação a investimentos privilegiando o entendimento e a gestão de riscos, acima de qualquer outra coisa, é que devemos buscar.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Controle-de-Investimentos.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Fábio Carvalho

Compartilhe sua opinião