Bruno Loiola

Um imposto de renda sem burocracia, prazos e em atualização contínua

Open Finance e a promessa de um imposto de renda ágil e sem erros

A burocracia fiscal é um fantasma que assombra anualmente milhões de brasileiros na temporada do Imposto de Renda (IR). A complexidade do processo, somada à pilha de documentos e à necessidade de precisão nas informações, transforma essa obrigação em uma verdadeira maratona. No entanto, uma revolução silenciosa está em curso, prometendo transformar esse cenário árido em um oásis de eficiência: o Open Finance.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/06/Lead-Magnet-1420x240-3.png

O Open Finance, evolução natural do Open Banking, é uma iniciativa que visa democratizar o acesso a dados financeiros, permitindo que informações sejam compartilhadas entre diferentes instituições com o consentimento do usuário. Essa integração de dados tem o potencial de simplificar significativamente o processo de declaração do IR, tornando-o mais ágil e menos propenso a erros.

A Receita Federal já deu um passo nessa direção com a declaração pré-preenchida, que utiliza informações disponíveis em seus sistemas para agilizar o preenchimento do documento. No entanto, essa é apenas a ponta do iceberg. Com o avanço do Open Finance, poderíamos vislumbrar um futuro onde a declaração do IR seja quase totalmente automatizada, com dados de rendimentos, investimentos e bens sendo capturados diretamente das instituições financeiras e preenchidos automaticamente no programa da Receita.

Esse cenário não é mera futurologia. O Pix, por exemplo, já demonstrou como soluções advindas do Open Finance podem agilizar processos burocráticos, sendo utilizado pela Receita Federal para priorizar o recebimento de restituições. É um sinal claro de que a integração de sistemas financeiros e fiscais é não apenas viável, mas altamente benéfica.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/1420x240-Investindo-no-exterior.png

Além de simplificar o processo de declaração, o Open Finance pode trazer outras vantagens, como a consolidação de informes de rendimentos em uma única instituição, facilitando a vida do contribuinte. Bancos e fintechs poderiam oferecer serviços que automatizem ainda mais o processo, utilizando APIs para puxar dados financeiros de diversas instituições e preenchendo a declaração de forma quase integral.

No entanto, é importante destacar que, para que esse cenário se concretize, são necessárias mudanças regulatórias e uma padronização de processos e regras. A segurança dos dados também é um aspecto crucial, pois estamos falando de informações extremamente sensíveis. A confiança do contribuinte nesse sistema é fundamental para sua adoção.

Em conclusão, o Open Finance representa uma oportunidade única de modernizar e desburocratizar o processo de declaração do Imposto de Renda no Brasil. É uma mudança que exige cuidado e planejamento, mas que tem o potencial de beneficiar milhões de brasileiros, tornando a época do IR menos temida e mais eficiente. A integração de dados financeiros e fiscais é o caminho para um sistema tributário mais ágil e justo, onde a tecnologia é uma aliada do contribuinte, e não um empecilho.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Nota

Os textos e opiniões publicados na área de colunistas são de responsabilidade do autor e não representam, necessariamente, a visão do Suno Notícias ou do Grupo Suno.

Mais dos Colunistas
Bruno Loiola Conciliar o Open Finance regulado e não-regulado é melhor estratégia para impulsionar a inovação no mercado financeiro

O mercado global de Open Banking atingirá a marca de US$ 124 bilhões até 2031, crescendo a uma taxa anual de 22%, segundo dados da Allied Market Research. No Brasil, o...

Bruno Loiola
Thiago Bartolozzi Quais inovações já estão encomendadas para os meios de pagamento em 2024?

Há pouco mais de três anos, o Pix chegou como um furacão, alterando a maneira como lidamos com o dinheiro e promovendo a inclusão financeira de boa parte da população....

Thiago Bartolozzi

Compartilhe sua opinião