Grana na conta

Caixa terá crédito com juros de 1,25% mais Selic a pequenos negócios

O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou nesta terça-feira (16) que concederá crédito a micro e pequenas empresas cobrando juros de 1,25% ao ano, mais o percentual de 3% ao ano da taxa básica de juros (Selic).

Dessa forma, a cobrança do empréstimos, baseado nos valores atuais, seria de 4,25%. Segundo o presidente da Caixa, “nunca houve” uma taxa para micro e pequenas empresas nesse nível. “Essa taxa era do custo de crédito ao mês”, salientou Guimarães.

O banco estatal oferecerá um período de oito meses de carência às empresas tomadoras dos empréstimos para começar o pagamento das parcelas mensais, dividido em 28 meses. O valor máximo de crédito será de 30% da receita bruta da empresa baseada no ano de 2019.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Segundo simulação realizada pela Caixa, uma empresa com faturamento de R$ 51,5 mil no ano passado poderá tomar um empréstimos R$ 15 mil. O negócio terá de efetuar o pagamento de R$ 596,87 fixos depois do prazo de carência. Os números estão calculados a preços atuais e poderão ser alterados, em conformidade com a variação da Selic.

Pedidos à Caixa deve ser feitos pela internet

O banco estatal informou que as solicitações de empréstimos deverão ser realizados via internet. Conforme cronograma divulgado, a Caixa já poderá analisar a partir desta terça-feira as demandas de micro e pequenas empresas com faturamento de até 4,8 milhões optantes do regime tributação Simples.

Saiba mais: Caixa iniciará linha de crédito para micro e pequenas empresas

Enquanto, a partir do dia 23 de junho, deve iniciar a análise das micro e pequenas empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões não optantes do Simples. Do dia 30 de junho em diante, por sua vez, poderão começar as avaliações dos pedidos de microempreendedores individuais (MEI).

O cronograma da Caixa está de acordo com a disponibilidade de informações da Receita Federal sobre o faturamento dos negócios.

Arthur Guimarães

Compartilhe sua opinião