C&A (CEAB3) pode vender operação no Brasil, diz jornal

C&A (CEAB3) pode vender operação no Brasil, diz jornal
Fachada de loja da C&A (foto: divulgação)

A família Brenninkmeijer, que detém as operações da C&A (CEAB3), está estudando a venda de sua participação nas operações da varejista no Brasil. A ideia do grupo de investidores seria focar os negócios na Europa. As informações são do jornal “Valor Econômico” e foram publicadas nesta segunda-feira (19).

Recentemente, a família detentora do controle da C&A se desfez das operações da varejista de moda na China e no México. Os Brenninkmeijer possuem 65% da empresa no Brasil, e afirmaram a fundos estrangeiros de private equity que poderiam analisar propostas pelo ativo no País. Vale lembrar que a C&A foi listada na bolsa brasileira no final do ano passado.

Segundo fontes consultadas pelo jornal, a venda das operações da C&A no Brasil não seria algo surpreendente. A empresa, apesar de não ter formalizado a venda de ativos no País, estaria consultando fundos e grupos estratégicos nos bastidores.

lead suno imagem ilustrativa

Receba as principais notícias do mercado diariamente.

Receba Grátis conteúdo exclusivo sobre Poupança, Ações, Economia e muito mais!

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

lead suno background

Suno One: o primeiro passo para alcançar a sua independência financeira. Acesse agora, é gratuito!

A publicação do jornal afirma, ainda, que a companhia estaria atrás de soluções para o negócio no Brasil desde 2014. O objetivo da empresa seria focar em países mais rentáveis, na Europa, como a Alemanha. Dos 18 países de atuação da C&A, mais da metade estão localizados no continente europeu.

Operações da C&A no Brasil

No Brasil, a C&A conta com 288 unidades, com 550 mil metros quadrados de área de vendas. A Renner, concorrente da companhia e líder do mercado de varejo de moda no Brasil, conta com 387 lojas e cerca de 700 mil metros quadrados de área.


Veja também: C&A (CEAB3) anuncia abertura de nova loja em Brasília

A C&A também foi uma das empresas prejudicadas pelo coronavírus (Covid-19). Na B3, a empresa que abriu capital no ano passado cotada a R$ 17,00 chegou a ter seus papéis cotados a R$ 5,30 no meio do mês de março.

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião