BTG: China voltará a ser atraente para investimentos, mas reabertura só no 3T23

A reabertura econômica da China segue indefinida e, diante disso, o BTG Pactual (BPAC11) permanece sem alocação tática direta no país momentaneamente. Segundo o banco, a abertura deve acontecer apenas no terceiro trimestre de 2023 – mas acredita que o país voltará a ser ‘investível’, com destaque para os ativos de commodities como Gerdau (GGBR3), Vale (VALE3) e Suzano (SUZB3).

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

No relatório “Reabertura da China”, divulgado na última terça-feira (13), os analistas Álvaro Frasson, Arthur Mota, Leonardo Paiva e Luiza Paparounis apontam que, no cenário mais provável, a reabertura da China só ganhará tração no segundo trimestre de 2023. Será o momento em que devem ocorrer as reuniões anuais do Congresso Nacional do Povo e da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês.

“A reabertura da China após essas mudanças tornou-se o grande tema de mercado para definição de posicionamento de risco, em conjunto com as decisões de política monetária pelos principais Bancos Centrais,” diz o relatório.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Desta forma, o BTG projeta que o PIB da China terá uma alta de 4,85% no próximo ano. Apesar disso, o setor imobiliário chinês — que tem a expectativa de novos investimentos — pode ter dificuldades a curto prazo, com possíveis quedas no volume de vendas. Segundo os analistas, as fontes de financiamento “ainda estão travadas”.

Ao longo dos próximos meses, com a percepção de que o pior ficou para trás, entendemos que o mercado chinês voltará a ser ‘investível’ para os alocadores globais, mas ainda demandará seletividade.

Ainda segundo o documento, o plano quinquenal do governo chinês reforça “teses de longo prazo focados no consumo interno e na indústria de alta intensidade tecnologia”. Desta forma, haverá menos espaço para empresas tecnológicas, ativos usuais em índices listados nas bolsas ocidentais.

Por outro lado, a projeção favorece os papéis de commodities e os analistas acreditam que um piso já pode estar se formando no próximo ano. “Em termos de picking [estratégia de comprar ações por um preço menor e vender quando elas se valorizam] preferimos Gerdau, Vale e Suzano, além de terem incorporado algumas dessas teses em suas carteiras.”, destaca o relatório “Reabertura da China” do BTG Pactual.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/03/Ebook-Acoes-Desktop-1.jpg

Janize Colaço

Compartilhe sua opinião