Brexit: após sair da União Europeia, Reino Unido altera sistema de imigração

Após concluir o Brexit e sair da União Europeia (UE), o Reino Unido estabeleceu uma série de medidas para seu novo sistema de imigração. Será dada prioridade às “mentes brilhantes” no lugar dos “trabalhadores pouco qualificados”.

A medida, que entrará em vigor em 1º de janeiro de 2021, momento exatamente posterior ao fim do período de transição do Brexit, atribuirá pontos de acordo com as habilidades, níveis salariais e diplomas. Segundo as informações do governo britânico, cidadãos europeus e não europeus serão tratados da mesma maneira. Brasileiros com passaporte europeu estão incluídos nesta categoria.

O Ministério do Interior do Reino Unido estima que 70% da força de trabalho europeia atual e pouco qualificada não conseguiria atingir a todas as novas exigências.

Confira: Coronavírus pode reduzir ainda mais o comércio global, diz OMC

“Nós respondemos às prioridades dos cidadãos através da introdução de um novo sistema de pontuação que reduzirá o número de imigrantes”, afirmou Priti Patel, ministra da pasta, em comunicado na noite da última terça-feira (18). Segundo ela, trata-se de um “momento histórico” que “põe fim à livre circulação“.

O ministério afirma que concorda com a “mensagem clara” do povo britânico no referendo de 2016 sobre o processo de separação da UE, além das eleições legislativas de dezembro de 2019. Em ambos as ocasiões, o controle migratório foi um dos pontos centrais em discussão.

Imigração pós-Brexit

Para conseguir um visto de trabalho, o requerente precisará de habilidades específicas, proficiência inglês e apresentar uma proposta de trabalho recebida com um salário mínimo de 25.600 libras (30.820 euros, em torno de R$ 145,49 mil na cotação atual) com antecedência.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-1.png

Ademais, o nível de estudos exigido passou a ser de um equivalente ao bacharelado, em detrimento da licenciatura, para permitir “maior flexibilidade”.

Entretanto, essas exigências levantam certa preocupação nos serviços públicos britânicos, como os serviços de saúde (NHS). Essas instituições são operadas por trabalhadores estrangeiros que, por vezes, são mal remunerados.

Saiba mais: Ministro de finanças do Reino Unido renuncia ao cargo

O visto de estudante também foi alterado e será regido por um sistema de pontuação para “talentos de todo o mundo”. Todos os requerentes precisam receber uma proposta de um estabelecimento britânico, falar inglês e ter condições de se manter.

No entanto, os cidadãos da UE e de outros países que têm acordos com o Reino Unido, mesmo após o Brexit, não precisarão de autorização para a permanência inferior a seis meses dentro do país.

Tags
Jader Lazarini

Compartilhe sua opinião