Brasil cria 846,9 mil novas empresas no primeiro trimestre

Brasil cria 846,9 mil novas empresas no primeiro trimestre
Agenda do dia

No primeiro trimestre de 2020 foram abertas 846.957 novas empresas em todo o Brasil. A informação foi divulgada neste sábado (30) pelo Ministério da Economia.

O número representa um crescimento de 14% em relação ao último trimestre de 2019 e de 8,6% do que no primeiro trimestre do ano passado. Um indicador que mostra como o País estava abrindo mais empresas antes do começo da pandemia do novo coronavírus (covid-19).

Entre as atividades que registraram maior crescimento estão:

  • cabeleireiros, manicure e pedicure (com 45.397 novas empresas);
  • comércio varejista de artigos do vestuário e acessórios (42.864 novas empresas);
  • promoção de vendas (36.120 novas empresas);
  • obras de alvenaria (29.929 novas empresas);
  • fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar (23.383 novas empresas )

No Suno One você aprende a fazer seu dinheiro trabalhar para você. Cadastre-se gratuitamente agora!

Por outro lado, os dados do governo mostram como no primeiro trimestre foram fechadas 292.378 empresas. Com isso, o saldo líquido ficou em 554.579 novos negócios criados no Brasil entre janeiro a março de 2020. No total, no primeiro trimestre o País tinha 18.296.851 empresas ativas.

Segundo o Ministério da Economia, o tempo médio para a abertura de uma empresa no primeiro trimestre de 2020 foi 3 dias e 16 horas. No mesmo período do ano passado a média nacional foi de 5 dias e 9 horas.

Com a nova ferramente Mapa de Empresas, lançada pelo Ministério da Economia para monitorar o empreendedorismo no Brasil, foi possível coletar rapidamente informações sobre:

  • abertura e o fechamento,
  • localização dos negócios,
  • ramo de atividade,
  • tempo médio de abertura
  • natureza jurídica (empresa individual, sociedade aberta, cooperativa e outros)

Empresas em alta mas PIB em queda

Os dados sobre a abertura de novas empresas no Brasil chegam um dia depois da divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do primeiro trimestre de 2020, que caiu 1,5% em relação ao trimestre anterior.

Este resultado do PIB considera o desempenho da economia entre janeiro e março de 2020. As medidas de restrição da atividade econômica para conter o avanço da pandemia do novo coronavírus (Covid-19) começaram a entrar em vigor a partir da segunda metade de março e afetaram o desempenho do PIB.

“Aconteceu no Brasil o mesmo que ocorreu em outros países afetados pela pandemia, que foi o recuo nos serviços direcionados às famílias devido ao fechamento dos estabelecimentos”, disse Rebeca Palis, coordenadora de Contas Nacionais do IBGE.

Em relação ao primeiro trimestre de 2019, a economia brasileira apresentou uma baixa de 0,3%. Dessa forma, o PIB está em um patamar similar ao registrado no segundo trimestre de 2012.

Saiba mais: Bradesco (BBDC4) dará crédito a empresas fora do programa do governo

A retração da economia no País foi influenciada por uma queda de 1,6% no setor de serviços, que possui a maior representatividade no PIB, com 74% do total e o maior número de empresas ativas. Além disso, a indústria também caiu (-1,4%). Já a agropecuária cresceu 0,6%.

Carlo Cauti

Compartilhe sua opinião