Ásia: bolsas fecham mistas após BC da China fazer promessas de flexibilidade e atenção ao payroll dos EUA

Para fechar a semana, as bolsas da Ásia patinaram mistas nesta sexta-feira (4), no aguardo de indicadores dos EUA para o payroll (as folhas de pagamento) e propostas do Banco Central chinês (PBoC) de novos instrumentos de política monetária de estímulo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

No encerramento do pregão, os principais índices da Ásia apresentaram resultados mistos:

  • Nikkei (Tóquio): +0,10%, a 32.192,75 pontos;
  • Hang Seng (Hong Kong): +0,61%, a 19.539,46 pontos;
  • Kospi (Seul): -0,10%, a 2.602,80 pontos;
  • Taiex (Taiwan) -0,30%, a 16.843,68 pontos.

De olho no payroll dos EUA

Além das bolsas asiáticas, investidores ao redor do mundo permanecem atentos ao relatório atualizado de empregos dos Estados Unidos, conhecido como payroll. O documento deve ser divulgado nesta sexta-feira (4) e tem potencial de influenciar os juros americanos.

Na semana anterior, o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) elevou seus juros básicos em 25 pontos-base. Entretanto, existe a possibilidade de novo aumento ainda este ano, que vai se desenhar de acordo com a evolução dos dados econômicos.

Promessa do BC da China

Na China continental, uma promessa bem recebida foi feita pelo banco central nacional, o PBoC, de adotar uma postura mais flexível e aplicar instrumentos de política monetária, como cortes de compulsórios, para garantir liquidez “razoavelmente ampla” no sistema bancário.

O Xangai Composto subiu 0,23%, a 3.288,08 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,48%, a 2.071,59 pontos.

Na Oceania, a bolsa australiana ficou no azul, com a ajuda de ações de mineradoras e petrolíferas. Em Sydney, o S&P/ASX 200 avançou 0,19%, a 7.325,30 pontos, no mesmo ritmo tímido das demais bolsas da Ásia.

Com informações de Dow Jones Newswires e Estadão Conteúdo.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião