Bolsas asiáticas fecham mistas, com recursos para imóveis na China; Europa sobe antes de ata do Fed

As bolsas asiáticas fecharam sem direção única nesta quarta-feira (21), com as de Xangai e de Hong Kong animadas por novos recursos para o combalido setor imobiliário chinês e outras demonstrando cautela antes da divulgação de balanço da fabricante de chips americana Nvidia.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Esse cenário pode influenciar nas negociações do Ibovespa hoje. Na terça-feira (20), o índice fechou em alta de 0,68%, aos 129.916,11 pontos.

Entre as bolsas asiáticas, na China continental, o índice Xangai Composto subiu 0,97%, a 2.950,96 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 1,03%, a 1.629,01 pontos. O bom humor veio após o Ministério de Habitação chinês aprovar 160 bilhões de yuans (US$ 22,25 bilhões) em empréstimos para projetos imobiliários, segundo a chefe de pesquisa do Maybank, Sonija Li.

O mesmo motivo ajudou a impulsionar o Hang Seng, que teve alta de 1,57% em Hong Kong, a 16.503,10 pontos, apesar de a ação do HSBC, banco britânico com foco na Ásia que decepcionou com seus últimos resultados trimestrais, ter tombado 3,83%.

Ainda entre as bolsas asiáticas, os mercados de Tóquio, Seul e Taiwan ficaram no vermelho em meio à cautela de investidores antes do balanço da Nvidia, que será divulgado no fim da tarde de hoje, após o encerramento dos negócios em Wall Street. O japonês Nikkei caiu 0,26%, a 38.262,16 pontos, o sul-coreano Kospi recuou 0,17%, a 2.653,31 pontos, e o taiwanês Taiex cedeu 0,41%, a 18.676,31 pontos.

No terceiro trimestre de 2023, Hong Kong, China e Taiwan foram responsáveis por mais de 45% da receita da Nvidia, que hoje figura entre as chamadas “Sete Magníficas” do setor de tecnologia dos EUA, junto com Meta, Microsoft, Apple, Alphabet, Amazon e Tesla.

Na Oceania, a bolsa australiana teve o segundo pregão negativo seguido, pressionado por ações de mineradoras e do varejo. A S&P/ASX 200 recuou 0,66% em Sydney, a 7.608,40 pontos.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/04/1420x240_TEXTO_CTA_A_V10.jpg

Bolsas da Europa sobem antes da ata do Fed, mas HSBC e Glencore derrubam Londres

As bolsas europeias operam majoritariamente em alta modesta na manhã desta quarta-feira, enquanto investidores aguardam ata de política monetária do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA). A exceção é o mercado inglês, que cai após balanços decepcionantes do HSBC e da Glencore.

A ação do HSBC tombava 7,3% em Londres por volta das 6h45 (de Brasília), após o banco britânico divulgar um inesperado prejuízo trimestral causado por baixas contábeis bilionárias de investimentos na China.

Já a Glencore viu seu Ebitda ajustado anual cair pela metade, à medida que os preços do carvão recuaram depois de atingir níveis recordes em meio à guerra da Rússia na Ucrânia. Também em Londres, a ação da mineradora anglo-suíça tinha queda de quase 6% no horário acima.

Em Paris, por outro lado, a ação do Carrefour (CRFB3) saltava 4,8%, após a varejista francesa superar expectativa de lucro e anunciar um programa de recompra, em balanço divulgado na tarde de ontem.

Investidores na Europa também estão na expectativa pela ata da última reunião de política monetária do Fed, a ser publicada na tarde de hoje, diante de dúvidas sobre quando o BC americano poderá começar a reduzir juros.

Também hoje, está previsto indicador preliminar de confiança do consumidor da zona do euro.

Às 7h (de Brasília), a Bolsa de Londres caía 0,92%, enquanto a de Frankfurt subia 0,20% e a de Paris avançava 0,24%. Já as de Milão, Madri e Lisboa tinham ganhos de 0,75%, 0,36% e 0,24%, respectivamente.

*Com informações da Dow Jones Newswires, Associated Press e Estadão Conteúdo

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Giovanni Porfírio Jacomino

Compartilhe sua opinião