Bitcoin se recupera nesta segunda após despencar 15% no domingo

Bitcoin se recupera nesta segunda após despencar 15% no domingo
bitcoin. Foto: MichaelWuensch por Pixabay

Após tombar 15% na madrugada de domingo (18) e devolver lucros de sucessivos recordes, o bitcoin tem um dia de recuperação parcial nesta segunda-feira (19).

suno_banner id=”101751″]

Investidores também repercutem a fala do vice-presidente do Banco do Povo da China (PBoC, o BC chinês) Li Bo, que hoje chamou o ativo de “alternativa de investimento”, em uma mudança de tom por parte da segunda maior economia do mundo. Às 10h40, horário de Brasília, o bitcoin subia 3,20%, a US$ 56.651,00. Há apenas cinco dias, o bitcoin havia batido a marca histórica de US$ 64 mil.

Não há consenso no mercado sobre o motivo da queda tão acentuada do bitcoin vista no fim de semana. Para alguns, trata-se de uma realização de lucros repentina, depois da divisa digital renovar vários recordes na esteira da oferta pública inicial (IPO) da Coinbase, corretora americana de criptomoedas que desde quarta-feira (14) passada é negociada na Bolsa de Nova York (Nyse).

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Vídeo Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Para Michael Novogratz, diretor-executivo (CEO) da Galaxy Investment Partners, uma das principais investidoras de criptomoedas do mundo, o tombo do bitcoin era “inevitável”.

“Olhando para trás, era inevitável. Os mercados ficaram muito entusiasmados com a listagem da Coinbase”, afirmou, em um tuíte no domingo. No curto prazo, precisaremos reconstruir uma base. O dano não se cura da noite para o dia. Boa sorte”, afirmou.

Queda do bitcoin pode ter sido causada por movimentação do Tesouro americano

Alguns analistas, contudo, atribuem o tombo a uma notícia da Bloomberg, publicada no domingo, informando que o Tesouro americano prepara novas medidas para coibir lavagem de dinheiro por meio de ativos digitais. “Aparentemente, os agentes do mercado temeram repressões dos Estados Unidos”, diz o Danske Bank, em relatório enviado a clientes, sobre o que chamou de “oscilações violentas nas criptomoedas” durante o final de semana.

No noticiário do setor, ainda repercute uma fala de Li Bo, do PBoC, durante um painel organizado pela CNBC. “Consideramos bitcoin e stablecoin como ativos criptográficos. Essas são alternativas de investimento”, afirmou o dirigente.

A declaração foi interpretada como uma mudança de tom sobre o assunto, e sobre o bitcoin, por parte da China, que desde 2017 impõe restrições às negociações de criptomoedas, alegando riscos à estabilidade financeira.

(Com Estadão Conteúdo)

Vitor Azevedo

Compartilhe sua opinião