URGENTE

Banco do Brasil (BBAS3) vende R$ 1 bi em dívida da Latam para Merrill Lynch, diz jornal

Banco do Brasil (BBAS3) vende R$ 1 bi em dívida da Latam para Merrill Lynch, diz jornal
Com a novidade, a Latam será a primeira aérea do Brasil a operar este avião em território nacional - Foto: Reprodução Facebook

O Banco do Brasil (BBAS3) vendeu para o banco norte-americano Merrill Lynch cerca de R$ 1 bilhão de dívidas da companhia aérea Latam que estava em seu balanço. A informação é da Coluna do Lauro Jardim, em O Globo.

Segundo informações do jornal, o Banco do Brasil possuía esse montante em dívida contraída pela Latam Chile e que foi transferida para a filial brasileira em abril de 2020. A Latam pediu recuperação judicial nos Estados Unidos no final de maio de 2020, em meio ao choque com a paralisação das operações do setor aéreo com as restrições de movimentação impostas pelos governos, necessárias ao combate à pandemia de covid-19.

Com o acúmulo da dívida, o Bank of America, controlador do Merrill Lynch, aumenta seu poder de fogo na negociação da recuperação judicial da companhia.

Latam vê fim da recuperação judicial pode voltar a dar lucro até 2024

Nesta semana, a Latam informou que recebeu ofertas de financiamento de R$ 26 bilhões, o que reafirmaria a confiança do mercado na capacidade da empresa em se recuperar.

De acordo com o plano da empresa, o nível de rentabilidade pré-pandemia só retornará em 2024, com a empresa voltando a dar lucro. A projeção se apoia na recuperação do mercado doméstico da Latam Brasil, que já conseguiu recuperar 77% da demanda na comparação com o nível pré-pandemia. No início do próximo ano, a expectativa é que o mercado supere o patamar de 2019.

Nas filiais da Colômbia, Equador, Peru e Chile, o mercado doméstico da Latam está em 72% do nível pré-pandemia.

A Latam pediu para estender o período de exclusividade para apresentar o seu plano de recuperação judicial até 15 de outubro de 2021 e aprová-lo até 15 de dezembro de 2021.

Com Estadão Conteúdo

Redação Suno Notícias

Compartilhe sua opinião