Lucro do Banco do Brasil (BBAS3) sobe 4,5% no 3T23 e atinge R$ 8,8 bilhões

O Banco do Brasil (BBAS3) anunciou um lucro líquido ajustado de R$ 8,8 bilhões no terceiro trimestre de 2023 (3T23). Na comparação com o mesmo período do ano passado (3T22), esse valor representa um aumento de 4,5%.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Conforme o balanço do Banco do Brasil, esse resultado foi impactado por um bom desempenho comercial e também pelo crescimento de suas carteiras de crédito e da tesouraria, o que influencia de forma positiva a margem financeira bruta da companhia, que teve um avanço anual de 3,5%.

Durante o trimestre, a Margem Financeira Bruta (MFB) somou R$ 23,7 bilhões, com avanço trimestral de 3,5%, e de 30,4% considerando a somatória de janeiro a setembro.

O relatório de resultados do Banco do Brasil também destaca o aumento de 5,0% de suas receitas financeiras, incluindo 2,4% em operações de crédito e 12,3% em tesouraria, e esse faturamento foi impactado pelo crescimento da carteira de crédito e dos títulos e valores mobiliários.

Já as despesas financeiras registraram crescimento de 6,5%, em meio a elevação de 8,5% de sua captação comercial.

Resultados do Banco do Brasil

Outros fatores que influenciaram no resultado do Banco do Brasil foram o crescimento de 1,7% nas receitas de prestação de serviços, aumento da despesa de PCLD ampliada em 4,7% e o maior controle de gastos administrativos.

As receitas de prestação de serviços totalizaram R$ 8,7 bilhões no terceiro trimestre de 2023, o que representa uma alta de 4,6% em relação ao 2T23.

Essas receitas foram impactadas de forma positiva pelas “linhas de seguros, previdência e capitalização (+10,6%); administração de fundos (+5,7%); e consórcios (+8,6%) com mais de 159 mil novas cotas comercializadas com volume de negócios de R$ 12,0 bilhões em um trimestre”, destacou o balanço trimestral do Banco do Brasil.

As receitas do BB com administração de fundos somaram R$ 2,151 bilhões, uma queda de 2,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Em relação ao segundo trimestre, porém, houve alta de 5,7%. Entre todas as linhas de receita, a de administração de fundos é a que tem o maior peso.

Já as receitas com conta corrente foram de R$ 1,673 bilhão, queda de 1,1% em termos anuais. Em um trimestre, porém, cresceram 2,7%.

O banco obteve R$ 1,418 bilhão em receitas com seguros, previdência e capitalização, um crescimento de 3% no comparativo anual, e de 10,6% em três meses.

Enquanto isso, as despesas administrativas do Banco do Brasil somaram R$ 9,2 bilhões no 3T23, com alta de 1,5% na comparação com o 2T23, refletindo a alta de 7,2% em “Outras Despesas Administrativas”, o que foi compensado pela baixa de 1,7% nas despesas de pessoal.

Captação em alta

A margem com clientes do BB subiu 8,4% entre o terceiro trimestre de 2022 e o mesmo período deste ano, para R$ 20,506 bilhões, puxada pelo desempenho da carteira de crédito. O banco contabiliza nessa linha tanto a receita com crédito quanto os resultados com títulos privados.

O resultado da tesouraria, por sua vez, foi de R$ 3,174 bilhões, uma expansão de quase seis vezes em um ano graças ao aumento da Selic média no período. O banco também destaca o crescimento da margem financeira do Patagonia, banco que controla na Argentina, e cuja margem é contabilizada na tesouraria.

No trimestre, as despesas de captação comercial do Banco do Brasil ficaram em R$ 20,821 bilhões, alta de 24,2% no espaço de 12 meses. No último ano, o número tem crescido diante da alta da Selic, que aumenta os custos de captação junto a clientes.

(Com Estadão Conteúdo)

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/12/Ebook-Acoes-Desktop.webp

João Vitor Jacintho

Compartilhe sua opinião