Banco do Brasil (BBAS3) volta a estudar venda da Cielo (CIEL3), diz jornal

Banco do Brasil (BBAS3) volta a estudar venda da Cielo (CIEL3), diz jornal
BB volta a discutir venda da Cielo, diz jornal

O Banco do Brasil (BBAS3) está avaliando se desfazer da sua participação na Cielo (CIEL3), de acordo com coluna do jornal O Globo, sem dar mais detalhes.

 

A discussão sobre uma possível saída do banco estatal da Cielo ganhou destaque no começo deste ano, quando foi noticiado que o BB colocou toda a área de cartões em revisão, com a possibilidade de vendas de ativos.

O tema voltou a ganhar destaque em agosto deste ano, quando se comentou a possível venda da fatia do BB na Cielo para o Bradesco (BBDC4).

No entanto, a saída do BB da Cielo é vista como uma operação complexa. Um dos caminhos seria o fechamento de capital da empresa; outra possibilidade seria o Bradesco comprar a participação do BB.

O problema da saída de um dos bancos é que eles são um canal importante para a venda de produtos da Cielo. Com a saída do BB, a atratividade do negócio poderia ser comprometida.

Além disso, BB e Cielo são sócios na joint venture Cateno, que processa transações com cartões de débito do BB.

Suno One: acesse gratuitamente eBooks, Minicursos, Artigos e Video Aulas sobre investimentos com um único cadastro. Clique para saber mais!

Banco do Brasil detém 28,65% da Cielo

Atualmente, o Bradesco detém uma participação de 30,06% na Cielo. O BB possui uma fatia de 28,65%. Os dois bancos detêm o controle da empresa, com 58,71% das ações.

Outros 40,94% estão em circulação e 0,35% em tesouraria, segundo o site de relações com investidores da Cielo.

Composição acionária da Cielo
Fonte: Cielo

Ebook Gratuito
Baixe agora nosso
Guia de Investimentos para 2021
Confira gratuitamente quais são nossas perspectivas para o ano.

Parabéns! Cadastro feito com sucesso.

Ops! Algo deu errado. Tente novamente.

Empresa teve queda no lucro

A Cielo tem enfrentado desafios, reportando queda de 71,5% no lucro líquido no terceiro trimestre de 2020 ante o mesmo período de 2019.

A companhia salientou que houve uma queda nominal de 12% no terceiro trimestre em comparação com o mesmo período de 2019 em seu índice que acompanha mensalmente a evolução do varejo brasileiro, o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA).

Além disso, a Cielo comunicou que, em vista de possíveis cenários de extensão do isolamento social e consequente alongamento de restrições, passou a privilegiar o aumento da liquidez.

O volume financeiro das transações da Cielo alcançou R$ 37,6 bilhões no terceiro trimestre, um salto de 29,4% na comparação trimestral quando as restrições para combate à pandemia manteve o comércio e serviços parcialmente fechados. No ano, o volume recuou 3,6%.

Natalia Gómez

Compartilhe sua opinião