URGENTE

Balança comercial não terá mais projeções do governo federal

Balança comercial não terá mais projeções do governo federal
PIB de 2020 crescerá 2,20%, mas existe risco de baixa, diz Itaú

O governo federal decidiu não projetar mais a balança comercial. Em todo início de ano, era costumeiro que o antigo Ministério do Desenvolvimento publicasse a estimativa anual.

Além disso, a nova equipe econômica não mira o superávit a qualquer custo. A questão é aumentar as exportações, e também as importações. A orientação é de abertura econômica, a fim de inserir o Brasil em melhor posição no mercado internacional.

Na prática, o Brasil deve consumir mais produtos produzidos fora do País. Técnicos entrevistados pelo jornal “O Globo” não garantem superávit (saldo positivo) no fim do ano daqui para frente.

Saiba mais -Exportações do agronegócio batem recorde e ultrapassam US$ 100 bi

“O aumento de inserção passa por mais comércio, exportar mais e importar mais. Independentemente de saldo e de sinal (positivo ou negativo), o que se espera é uma maior participação do comércio exterior brasileiro no PIB (Produto Interno Bruto)”, explicou o diretor do departamento de Inteligência e Estatísticas de Comércio Exterior, Herlon Brandão, ao anunciar o resultado da balança em janeiro.

Brandão argumentou que o governo federal não quer mais fazer projeções para focar nas questões estruturais, e não na conjuntura. Assim, para o Ministério da Economia, o principal é o comércio geral, e não o resultado da balança comercial.

“É um novo governo e uma nova orientação”, resumiu Brandão.

Saiba mais – Balança comercial registra superávit de US$ 2,19 bilhões em janeiro

Superávit de janeiro

Em janeiro, as exportações brasileiras ascenderam, de acordo com os dados divulgados pelo Ministério da Economia. As importações também cresceram, todavia, com ritmo maior. Portanto, o saldo da balança comercial caiu. A baixa foi de 22% ante janeiro de 2018.

Com total de US$ 18, 6 bilhões nas exportações do mês passado, o destaque foi a entrega de plataformas de petróleo. As exportações subiram 9% na comparação anual.

Mas, o valor ainda está abaixo do que o crescimento das importações, que chegou a 15% ante janeiro de 2018. No primeiro mês deste ano, o Brasil comprou US$ 16,4 bilhões de seus parceiros comerciais.

Por categoria, a alta das exportações de janeiro de 2019 foi impulsionada por:

  • manufaturados: alta de 15,2%
  • semimanufaturados: alta de 11,1%
  • produtos básicos: alta de 10,1%;

Enquanto isso, nas importações, cresceram as aquisições de:

  • bens de capital: alta de 15,6%
  • bens intermediários: alta de 3,6%

No acumulado do ano de 2018, a balança comercial obteve um superávit de US$ 58,3 bilhões.

Amanda Gushiken

Compartilhe sua opinião