“Estão nos subestimando”, avisa Sergio Rial, futuro CEO da Americanas (AMER3)

Ex-CEO do Santander Brasil (SANB11), Sergio Rial aguarda o momento de assumir o seu novo desafio profissional: o comando da Americanas (AMER3), empresa que passará a liderar em janeiro de 2023. Enquanto o mercado aguarda pelos resultados dessa nova gestão, o executivo já vestiu a camisa da varejista e avisou que “estão nos subestimando”.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-1.png

“Aos 40 mil colaboradores da Nação Americanas, estão nos subestimando, e entendo o porquê. Portanto, preparando as turbinas para a entrega de resultado consistente e a maior onda de mobilização e transformação que o mercado já viu”, escreveu Rial em uma publicação no LinkedIn.

Nos últimos doze meses, os papéis da Americanas na B3 caíram 69,69%, segundo dados do Status Invest. Na rede social corporativa, Rial começou a dar pistas sobre o que os acionistas podem esperar do seu comando.

Na semana passada, ele visitou o escritório da Ame, a fintech da Americanas. “Os próximos anos exigirão mais inteligência, melhores escolhas e foco e execução, com pouco espaço para erro. Alinhamento de todos nós será importante para acelerar”, afirmou o profissional sobre esse encontro.

Rial também falou sobre a visão negativa que o mercado financeiro tem da Americanas atualmente. Em resposta a um seguidor, o ex-Santander disse que “a melhor resposta a eles é desempenho e resultado, e nisso focaremos”.

O mercado não é capaz de precificar transformações. Modelos do sell side não capturam o intangível de uma cultura. No final, o que vale é entrega, e não só audácia, Portanto, tenho muito trabalho a frente, mas vou com 40 mil comigo, e aí amigo, o tamanho da onda, a gente só vai saber lá na frente.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/02/1420x240-Banner-Home-2-1.png

Americanas: Sentimentos mistos

Os analistas contam com recomendações divergentes quando o assunto é o papel da Americanas. Após a divulgação do balanço do terceiro trimestre de 2022, a XP Investimentos manteve o papel como neutro em seu radar, com o preço-alvo de R$ 20 por ação.

Enquanto isso, o BTG Pactual (BPAC11) recomenda a compa, com o preço-alvo de R$ 29. Porém, o banco de investimentos explicou em relatório que “os resultados operacionais pintaram um quadro preocupante” no tema da receita e do fluxo de caixa.

As ações da Americanas fecharam o pregão de terça (6) em alta de 0,78%, operadas ao preço de R$ 9,07.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2023/04/1420x240-Planilha-vida-financeira-true.png

Erick Matheus Nery

Compartilhe sua opinião