AliExpress avalia abrir centro de distribuição no Brasil

Em busca da redução de tempo de entrega de produtos no Brasil, Ken Huang, líder da AliExpress, está estudando a possibilidade de abrir um centro de distribuição no Brasil. As informações são do jornal “O Estado de S. Paulo”.

Atualmente, para um produto comprado pelo site chinês chegar ao País demora em média de 30 a 40 dias. Vale ressaltar que o Brasil é um dos cinco países que mais consomem produtos do AlliExpress.

Neste ano, o site chinês ficou em primeiro em preferência de compras de sites internacionais pelos brasileiros. Dessa forma, a plataforma deixou para trás sites como: Alibaba, Amazon e eBay.

A ideia de abrir um centro de distribuição no Brasil é “a médio prazo”, de acordo com Huang. A empresa também estuda parcerias com companhias de entrega.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/07/1420x240-Banner-Home.png

De acordo com Huang, o consumo no Brasil é atrelado ao público jovem, que possui mais engajamento digital. Além disso, a variedade de produtos também chama a atenção dos consumidores.

Sobre o tempo de entrega, em comparação com outras empresas que exploram o e-commerce no Brasil, Huang afirmou que a AliExpress ainda está muito atrás neste quesito. “Ainda temos uma diferença grande no tempo de entrega, quando comparado a concorrentes locais. Hoje, exploramos o potencial e opções para despachar os produtos localmente. Poderíamos abrir um estoque de produtos ou reduzir o tempo de entrega.”

Veja também: SoftBank é confirmado como novo controlador do WeWork

O líder da empresa chinesa também falou sobre a possibilidade de lojas físicas no Brasil. “O projeto em Curitiba [de lojas físicas] foi liderado pela Ebanx para testar a reação das pessoas, já que o nosso marketing sempre foi online. A Ebanx percebeu que muita gente não está nos achando na internet. Foi um teste e isso é sempre bom. Até agora, não há planos concretos para abrir lojas físicas no Brasil. Ainda acho que há grandes oportunidades para otimizar nossa operação online”, finalizou o head da AliExpress na América Latina .

Juliano Passaro

Compartilhe sua opinião

Receba atualizações diárias sobre o mercado diretamente no seu celular

WhatsApp Suno