Petrobras (PETR4), JHSF (JHSF3) e Multiplan (MULT3) pagam dividendos nesta quarta-feira (20)

Nesta quarta-feira (20), as companhias Petrobras (PETR4), JHSF (JHSF3) e Multiplan (MULT3) vão pagar dividendos aos seus acionistas.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/1420x240-2.png

Os valores a serem pagos aos investidores são de R$ 0,9467 por ação em dividendos da Petrobras e de R$ 0,0442 por ação em dividendos da JHSF.

Têm direito aos dividendos da Petrobras os investidores que detinham os papéis de PETR4 no dia 12 de junho. Já para receber os dividendos da JHSF, os acionistas tinham que ter as ações da empresa em 11 de setembro.

Agenda de dividendos de hoje

Petrobras (PETR4)

  • Tipo: Dividendo
  • Valor por ação: R$ 0,9467
  • Data de corte: 12/06/2023
  • Rendimento: 3,26%

JHSF (JHSF3)

  • Tipo: Dividendo
  • Valor por ação: R$ 0,0442
  • Data de corte: 11/09/2023
  • Rendimento: 0,91%

Multiplan (MULT3)

  • Tipo: JCP
  • Valor por ação: R$ 0,1707
  • Data de corte: 27/09/2022
  • Rendimento: 0,70%

Dividendos de ações, assim como rendimentos de Fundos Imobiliários são isentos de Imposto de Renda para pessoas físicas, mas devem estar na declaração anual de Imposto de Renda. Já os Juros Sobre Capital Próprio têm 15% de imposto.

Vale pontuar que essa matéria de dividendos do dia não configura uma recomendação de compra ou venda de ações na Bolsa.

Apollo encontrou “portas fechadas” na Petrobras e no governo

O processo de aquisição da Braskem (BRKM5) tomou um rumo novo nesta quarta-feira (2), segundo fontes comunicaram ao jornal Valor Econômico. A Apollo Global que estava junto à Empresa Nacional de Petróleo de Abu Dhabi (Adnoc) no processo de aquisição da petroquímica e desistiu da negociação após encontrar “portas fechadas” na Petrobras (PETR4) e no governo brasileiro.

Segundo a matéria, as tratativas estão sendo conduzidas exclusivamente pelos árabes, que já levaram uma proposta de formação de joint venture com a estatal, com participação de cerca de 50% cada. As conversas têm acontecido entre governos e o fato de a Adnoc também ser uma companhia estatal é bem vista na Petrobras e em Brasília, afirmou o Valor.

Após ser vetada na operação, a Apollo, que já acompanhava a Braskem (BRKM5) há pelo menos seis anos e continua interessada no ativo, comunicou seu desembarque à Adnoc. Segundo ela, foi a gestora americana que convidou a companhia dos Emirados Árabes a ingressar na transação.

https://files.sunoresearch.com.br/n/uploads/2024/05/Lead-Magnet-1420x240-4.png

Camila Paim

Compartilhe sua opinião