Acesso Rápido

    Inflação em 2022: veja as principais projeções e saiba como investir

    Inflação em 2022: veja as principais projeções e saiba como investir

    A inflação de preços está presente no cotidiano de todos os brasileiros, corrói o valor do dinheiro e até mesmo de alguns investimentos ao longo do tempo. Portanto, com a chegada de um novo ano, é preciso compreender as expectativas para a inflação em 2022.

    Além disso, a atenção com a inflação em 2022 deve ser ainda maior em relação aos últimos anos. Isto já que os impactos econômicos da pandemia nos anos de 2020 e 2021 trouxeram de volta a inflação alta não só para o Brasil, mas para o mundo todo.

    Qual a expectativa para inflação em 2022?

    Como foi colocado, a dúvida sobre qual a expectativa para a inflação em 2022 deve crescer cada vez mais. Isso porque, de um lado, investidores procuram por aplicações financeiras para proteger o patrimônio no período de perda do valor do dinheiro.

    Do outro lado, existem ainda os brasileiros sem grandes economias que buscam por direções para compreender como o aumento de preços em 2022 afetará o custo de vida de suas famílias. Apesar de realidades diferentes, todos precisam acompanhar a inflação, já que ela afeta todos os agentes da economia.

    No entanto, é preciso destacar que não há uma fórmula precisa para conseguir determinar a inflação. Muitas vezes, os economistas fazem projeções no início do ano que ficam bastante distintas do resultado final dos indicadores anuais da inflação, como o:

    Devido à instabilidade das projeções e do próprio contexto econômico de 2022, é preciso que os investidores saibam, além da previsão para a inflação, também os fatores que podem afetá-la ao longo do ano que está por vir.

    Qual a previsão de inflação para 2022 segundo o Boletim Focus?

    A procura por qual a previsão de inflação para 2022 segundo o Boletim Focus é a mais alta ao se tratar de projeções desse indicador. Afinal de contas, o relatório representa a mediana da expectativa do mercado com relação à inflação e a outros indicadores, como o PIB (Produto Interno Bruto).

    Esse boletim é divulgado semanalmente pelo Banco Central (Bacen), às segundas-feiras, e divulga a mediana da projeção de mais de cem instituições financeiras para a inflação, considerando o contexto econômico atualizado na data da divulgação.

    Abaixo, a projeção de outubro de 2021 do Boletim Focus para a inflação em 2022, com a expectativa do IPCA em 4,55% no ano:

    inflação em 2022

    Fatores que podem afetar a inflação em 2022

    Como foi observado, ao final de 2021, a projeção para a inflação em 2022 era próxima de 4,5%. No entanto, é preciso ressaltar que existem fatores que podem afetar a inflação em 2022 e fazer esse percentual variar, sobretudo para cima.

    Entre esses fatores que podem impactar a inflação no ano que vem são:

    • Aumento da Taxa Selic;
    • Variação da taxa de câmbio;
    • Mudanças na balança comercial;
    • Variações na oferta e na demanda;
    • Normalização da cadeia produtiva global;
    • Queda ou elevação do preço das commodities.

    São tantos os fatores que influenciam a inflação de preços que fica difícil fazer qualquer tipo de projeção segura quanto à variação desse indicador. Por exemplo, um aumento mais expressivo das commodities, como do petróleo ou do minério de ferro, pode contribuir ainda mais para a elevação da inflação.

    Por outro lado, além da queda do preço dessas commodities, uma normalização da cadeia produtiva global após a pandemia ou apreciação do Real frente ao dólar norte-americano são fatores que contribuem para a redução da inflação no ano que vem.

    Como a inflação impacta os investimentos em 2022

    Além dos fatores que a influenciam, outro ponto importante é compreender como a inflação impacta os investimentos em 2022. Isto porque esse fenômeno econômico não influencia apenas os preços dos bens, mas também os preços dos ativos do mercado de capitais.

    Na prática, com a inflação, o valor da moeda reduz, com a sua depreciação. Em outras palavras, é preciso mais dinheiro — ou de um valor nominal financeiro maior — para conseguir adquirir os mesmos ativos do passado.

    Essa realidade vale para os itens do supermercado, mas também para os ativos de investimentos, como:

    • Propriedades imobiliárias;
    • Ações da bolsa de valores;
    • Títulos de crédito público ou privado.

    No caso dos imóveis, a compreensão do aumento do seu preço é mais simples, já que eles também tendem a valorizar e repor seu valor em um contexto de inflação mais alta. Contudo, a realidade é a mesma para ações e títulos de crédito.

    As ações de empresas, por exemplo, tendem a subir em um cenário de inflação porque no cenário de aumento de preços elas irão faturar mais, sem que isso signifique um aumento real nos lucros.

    Já no caso dos títulos, os seus preços também são afetados no contexto inflacionário, já que investidores ficarão mais dispostos a comprar ativos pós-fixados indexados à inflação, elevando seus preços. Da mesma forma, títulos prefixados com taxas mais baixas tendem a depreciar, com uma demanda menor.

    Como a inflação pode impactar os investimentos?

    Além disso, deixar o dinheiro aplicado em investimentos de baixa rentabilidade pode fazer você perder dinheiro, sobretudo em períodos onde a inflação tende a subir.

    Desse modo, aplicar o patrimônio na caderneta de poupança, por exemplo, pode ser um péssimo negócio.

    Isso porque, para manter o poder de compra, uma aplicação financeira precisa render, no mínimo, um percentual acima da inflação. No entanto, essa não foi a realidade do que vimos no ano passado.

    Investimentos para se proteger da inflação em 2022

    Levando em conta a previsão de inflação para o próximo ano, os fatores que a afetam e os seus impactos, surge uma importante pergunta pelos investidores. Isto é, quais seriam os melhores investimentos para se proteger da inflação em 2022.

    Apesar de não ser uma resposta simples, existem alguns investimentos do mercado que são mais atrelados à inflação e que garantem, de certa forma, a proteção contra o aumento dos preços. Entre eles:

    No caso dos títulos Tesouro IPCA, o investidor se protege já que sua remuneração está diretamente atrelada à inflação oficial. Ou seja, caso a inflação suba, o retorno será mais elevado, enquanto se cair, a rentabilidade será menor.

    Quando o investidor adquire esse tipo de ativo ele recebe uma taxa definida no dia da compra do título mais a variação do IPCA do período. Isso significa que, independentemente do cenário econômico, o seu investimento sempre renderá acima da inflação.

    Além do Tesouro IPCA, outra alternativa interessante de como se proteger da inflação em 2022 é investir em ativos imobiliários. Isto porque, como foi colocado, os imóveis são ativos reais que, na média, conseguem repor o valor da moeda muito bem.

    Para investir nesses ativos imobiliários, algumas alternativas são os fundos imobiliários (FIIs) e as ações de companhias que exploram ativos imobilizados, como galpões e shoppings centers. Na prática, o preço das cotas e dos papéis tendem a subir, repondo o valor dos imóveis com a depreciação da moeda.

    E então, conseguiu entender melhor sobre o contexto econômico da inflação em 2022? Deixe abaixo suas dúvidas e comentários sobre esse assunto.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *