Acesso Rápido

    Onde investir dinheiro em 2022: confira a lista completa

    Onde investir dinheiro em 2022: confira a lista completa

    Muitas pessoas desejam saber onde investir dinheiro em 2022, e a verdade é que existem diversas alternativas de investimentos, indo das mais arriscadas às mais seguras.

    Sendo assim, para saber onde investir dinheiro em 2022, é preciso saber a sua disposição ao risco e conhecer as alternativas disponíveis no mercado financeiro.

    Onde investir dinheiro em 2022?

    Existem várias opções onde investir dinheiro. Tudo depende dos objetivos financeiros, nível de risco desejado, e necessidade de resgate (liquidez). É possível investir tanto em produtos de renda fixa, pós e pré-fixados, assim como produtos renda variável, como ações e fundos imobiliários.

    Tesouro Selic

    O Tesouro Selic é um título emitido pelo Tesouro Nacional cuja rentabilidade é atrelada à taxa Selic, a taxa básica de juros da economia.

    A lógica desse investimento é a seguinte: você adquire um título do Tesouro por meio de uma corretora de valores e faz o resgate do valor acrescido dos juros na data de vencimento.

    É possível também negociar esse título antes mesmo do seu vencimento. Vale destacar que quando você adquire um título do Tesouro Selic está emprestando dinheiro para o governo.

    A grande vantagem desse investimento é que o risco é praticamente nulo, uma vez que a taxa Selic sempre será positiva. Uma outra vantagem do Tesouro Selic é a sua liquidez.

    Ou seja, é possível resgatar o valor acrescido da rentabilidade a qualquer momento. Por isso, esse é um bom investimento para quem deseja construir a sua reserva de emergência.

    CDB

    CDB é a sigla para Certificado de Depósito Bancário. Essa é uma aplicação na qual você empresta o seu dinheiro para o banco que faz a devolução após um determinado prazo acrescida de uma rentabilidade.

    A rentabilidade do CDB costuma seguir o CDI, sendo a sigla para Certificado de Depósito Interbancário. Ou seja, é a taxa de juros que um banco cobra do outro por empréstimos de curtíssimo prazo.

    Essa rentabilidade costuma ser muito parecida com a taxa Selic. Por isso, o CDB é um investimento atraente para quem deseja segurança.

    Dependendo da instituição bancária, o CDB pode ter resgate automático, ou então pode ter um vencimento pré determinado.

    Vale destacar que há incidência do Imposto de Renda sobre a rentabilidade que segue uma tabela progressiva de acordo com o tempo que o dinheiro fica aplicado.

    Tesouro IPCA +

    Esta opção de renda fixa é a maneira mais segura de garantir um aumento do poder de compra do seu patrimônio no longo prazo. Os títulos públicos do Tesouro IPCA + oferecem um prêmio sobre o IPCA, pago durante décadas.

    E uma das grandes vantagens desta aplicação é o fato de ser inteiramente garantida pelo Tesouro Nacional. Isto é, no vencimento do título, o Tesouro garante o pagamento integral do principal investido mais os juros da aplicação.

    Títulos públicos com cupom

    A opção mais conservadora são os títulos públicos com cupom, como o Tesouro Prefixado (NTN-F) com Juros Semestrais e o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais (NTN-B).

    As NTN-F permitem receber cupons semestrais, cujo valor é fixo. Então o investidor já tem noção de qual será o rendimento que ele irá receber.

    Entretanto, como não existe a correção destes juros pela inflação, o poder de compra dessa remuneração vai se dilapidando ao longo dos anos.

    Por estes motivos, a opção preferida dos investidores é o Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais.

    Neste caso os cupons são reajustados pelo índice de inflação IPCA. E isto dá maior tranquilidade quanto ao poder de compra desta renda semestral.

    Debêntures

    As debêntures são títulos de dívida adquiridos de Sociedades Anônimas (S/A). Estas aplicações são um produto de renda fixa mais arriscado do que os títulos públicos, mas que podem oferecer uma rentabilidade maior.

    Os títulos mais interessantes para quem deseja construir um bom patrimônio ao longo dos anos é escolher aquelas debêntures que remunerem acima do IGP-M, por exemplo.

    Entretanto, é preciso muita cautela. Estes títulos não possuem garantias ilimitadas. Dependendo do tipo de debênture, pode ser que não haja nenhuma garantia.

    Por este motivo, esta é uma aplicação que exige do investidor bastante conhecimento de análise de crédito. Mas com o devido cuidado, pode ser um bom local onde investir dinheiro.

    Fundos Imobiliários

    Os fundos imobiliários (FIIs) são uma alternativa ao investimento direto em imóveis, e um bom destino onde investir dinheiro.

    Apesar dos brasileiros terem a tradição de comprar imóveis, muito por conta do histórico de reposição da inflação gerado por estes ativos, é uma opção restrita a poucos.

    Infelizmente, a maioria da população nunca terá condições de adquirir um portfólio de propriedades imobiliárias para viver de renda.

    Desta forma, a melhor alternativa para acessar o mercado imobiliário é através dos fundos imobiliários (FIIs).

    Mas é preciso seletividade. Escolher boas propriedades e bons inquilinos é essencial nos “fundos de tijolos”.

    E quando falamos de fundos de recebíveis imobiliários, todo cuidado é pouco na hora de escolher uma carteira com risco de crédito pulverizado.

    Fundos Multimercado

    Outra aplicação que vem ganhando notoriedade no país são os chamados fundos multimercado.
    Estes fundos têm como característica básica a flexibilidade para operarem em diversos mercados, como de bolsa, juros, renda fixa, dólar, ouro, etc.

    Entretanto, é preciso ficar bastante atento quanto às taxas de administração cobradas. Existem fundos e fundos. Algumas gestoras no Brasil são bastante famosas, mas muitas vezes não estão abertas para captação.

    Por isto, é importante avaliar a performance passada do fundo e conhecer o time e a filosofia de gestão da casa.

    Ações

    No longo prazo, nenhum investimento no mercado de capitais supera o desempenho do mercado de ações.

    Ao adquirir uma ação, você se torna parceiro de projetos empresariais lucrativos no Brasil. E à medida que os lucros dessas empresas crescem, o patrimônio do acionista também valoriza.

    Mas é preciso saber administrar o risco deste investimento. Ações costumam ser mais arriscadas do que os FIIs, e por este motivo, é importante escolher empresas sólidas, pagar barato, e diversificar a carteira.

    Além disso, é recomendável ter uma parte do patrimônio em alguma moeda mais sólida, como o Dólar ou Euro. É possível conseguir esta diversificação investindo em BDRs , ou diretamente em ações estrangeiras.

    Ações de dividendos e fundos imobiliários

    Os fundos imobiliários, já citados anteriormente, também são uma excelente forma de gerar renda recorrente. Aliás, esta é a maior motivação de quem adquire este produto: receber de maneira regular rendimentos imobiliários.

    Quanto às ações, é preciso ser seletivo, e escolher bons papéis onde investir dinheiro. Existem papéis mais voltados para valorização de longo prazo, e outros que costumam pagar maiores dividendos no presente.

    Embora, é claro, esta divisão não seja tão clara assim. Existem ações que pagam bons dividendos e também valorizam.

    Quais as vantagens de começar a investir?

    Para descobrir as melhores opções para investir o seu dinheiro, você deve primeiramente escolher os seus objetivos como investidor, que podem ser:

    • Valorização do patrimônio;
    • Geração de renda;
    • Reserva financeira.

    Claro que o investidor poderá ter mais de um objetivo com cada aplicação, mas é importante saber qual é a prioridade ao decidir investir em determinado produto financeiro.

    Valorização do patrimônio

    Valorizar o patrimônio acima da inflação no longo prazo é um dos objetivos mais comuns de quem deseja investir.

    Seja para realizar um objetivo de consumo no futuro, ou então deixar o montante acumulado para herança.

    Logicamente, existem várias aplicações que podem cumprir com este objetivo.

    E o primeiro passo a ser desenvolvido nessa jornada de aplicações financeiras, diz respeito ao investidor procurar buscar saber a quais níveis de risco ele estaria disposto a passar.

    Obviamente, todos os ativos financeiros do mercado apresentam algum tipo de risco, porém alguns são mais suscetíveis e outros não.

    Nem sempre um conceito que carregamos durante muito tempo é verdade e, neste sentido, muitas dúvidas podem ser sanadas com uma simples pesquisa.

    Geração de renda

    Para quem deseja obter renda passiva com seus investimentos, existem também boas opções, algumas delas já mencionadas.

    Reserva financeira

    O terceiro motivo para realizar um investimento é formar uma reserva financeira.

    Esta reserva pode ser utilizada para várias finalidades diferentes. Como por exemplo, ao montar uma reserva de emergência ou adquirir um determinado bem ou serviço após um período pré-determinado.

    Reserva de emergência

    A reserva de emergência deve ser composta por investimentos que sejam, ao mesmo tempo:

    • Pós-fixados;
    • Baixo custo;
    • Boa liquidez.

    Existem várias opções de investimentos que serviriam como reserva de emergência.

    Você pode, por exemplo, aplicar em um Fundo DI com baixa taxa de administração.

    Outra opção onde investir dinheiro é investir no Tesouro Selic, uma aplicação extremamente segura e com excelente liquidez. Por fim, é possível investir em CDBs, LCI e LCA, desde que tenham liquidez diária.

    Em muitos casos, o objetivo não é formar uma reserva de emergência, mas sim, juntar dinheiro para adquirir algum produto no futuro.

    Por exemplo, digamos que você queira comprar um carro daqui a 5 anos pelo valor de R$ 50.000.

    Neste caso, você pode adquirir títulos pré-fixados com vencimento em 5 anos, por exemplo, e assim, saberá quanto terá acumulado ao final do período.

    O exemplo mais direto são os títulos públicos pré-fixados do Tesouro Direto, também chamadas Letras do Tesouro Nacional (LTN).

    Quais os riscos de começar a investir?

    Seja qual for esta aplicação que você escolher para investir o seu dinheiro, é imprescindível analisar o risco individual desta aplicação.

    Quem deseja formar um patrimônio com ações e receber renda de dividendos, deve levar em conta:

    • Capacidade da empresa de pagar dividendos;
    • Endividamento;
    • Histórico operacional;
    • Lucratividade;
    • Governança corporativa.

    Já no caso de aplicações de renda fixa, esta análise costuma ser mais simples, pois a maioria das opções costuma ter garantias, como do FGC ou do Tesouro Nacional.

    Entretanto, existem vários investimentos que não possuem esta amenidade, como é o caso dos CRI, CRA, debêntures, e todo tipo de fundo de investimento.

    Volatilidade e risco

    As ações e fundos imobiliários, por exemplo, apresentam, em suas características, o fato de serem negociados em bolsa de valores e, por isso, são submetidos a uma certa volatilidade nos preços de suas cotações, muito por conta de estarem sujeitos a dinâmica que existem por detrás da oferta e da demanda.

    Isso quer dizer que, se, por algum motivo, alguma notícia positiva a respeito de algum desses ativos surja no mercado, a tendência é que mais pessoas se interessem por eles.

    Isso gera, naturalmente, uma maior procura desse referenciado papel em seu ambiente de negociação.

    Esse aumento na procura, aliado a uma baixa oferta dos mesmos ativos, faz com que os seus preços sofram aumentos, até que os interesses dos compradores e vendedores sejam compatíveis e, de fato, um negócio seja ali fechado entre as partes.

    O verdadeiro risco

    Mas essa volatilidade, por si só, caracterizaria esses dois tipos de investimentos como sendo um local de risco onde investir dinheiro?

    Acreditamos que não. Pelo simples fato de considerarmos que o que os influencia e o que os caracteriza como sendo arriscados ou não, de fato, são os seus fundamentos e as suas qualidades enquanto ativos financeiros.

    Isso sim define o nível de risco de um ativo de renda variável.

    Acreditamos que qualquer pessoa, em sã consciência, não teria interesse em investir o seu dinheiro em um negócio ruim.

    Por exemplo, uma padaria do seu bairro que esteja já a alguns meses operando no prejuízo, com dívidas consideráveis e com dificuldades de gerar caixa.

    Ou, ainda, dificilmente essa mesma pessoa teria interesse em comprar um imóvel que há muito tempo não possui inquilinos.

    Ou mesmo que os possua, mas estejam com dificuldades de honrar os seus compromissos frente às dívidas locatárias.

    Como começar a investir dinheiro?

    Mesmo que você já saiba onde quer aplicar o seu dinheiro, é preciso descobrir como acessar este determinado investimento.

    Por exemplo, se você deseja comprar ações, fundos imobiliários, debêntures e títulos públicos, terá que abrir conta em uma corretora de valores.

    Já se o seu objetivo for adquirir outros títulos de renda fixa, talvez o seu banco ofereça bons produtos a preços competitivos.

    De qualquer forma, é sempre bom abrir conta em uma corretora. Estas instituições costumam não cobrar taxas para manter a conta ativa.

    E desta forma, você sempre poderá ter acesso a uma gama maior de produtos financeiros do que se você ficasse exclusivamente focado nos produtos bancários.

    É possível investir com pouco dinheiro?

    Para quem está querendo começar a investir, vale lembrar que não é necessário ter muito dinheiro. Afinal, hoje em dia existem opções de investimentos para quem tem apenas R$ 1.

    Ou seja, não é mais preciso começar a juntar dinheiro na poupança. Dá para começar aplicar no Tesouro Direto, CDB, Tesouro IPCA+ e ir aumentando os aportes com o tempo.

    Portanto, para quem busca não só construir uma reserva de emergência, como também adentrar no mundo dos investimentos, essa é uma boa alternativa.

    Diante disso, a questão a respeito de onde investir dinheiro pode ser muito bem solucionada ao se buscar uma fonte confiável, compromissada e tenha interesse no desenvolvimento do mercado de capitais e de todos os benefícios que o mesmo pode proporcionar para a evolução da humanidade.

    Perguntas frequentes sobre como começar a investir
    Por onde começar a investir?

    O primeiro passo é saber a sua disposição ao risco. Depois é preciso pesquisar as alternativas existentes em bancos e nas corretores de valores e fazer a aplicação do valor necessário.
    Vale destacar que você precisa ter uma reserva de emergência igual a seis meses do seu custo de vida em um ativo altamente líquido e seguro antes de fazer investimentos em ativos mais arriscados.

    Onde investir com pouco dinheiro?

    Para quem possui pouco dinheiro há diversas alternativas como CDB de resgate automático, Tesouro Direto e até mesmo ações de empresas. No entanto, é preciso levar em consideração a sua disposição ao risco.

    Tiago Reis
    Compartilhe sua opinião
    Nenhum comentário

    O seu email não será publicado. Nome e email são obrigatórios *